Usos e Costumes
Armar as Costelas PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Rui Vilela   
Domingo, 27 Julho 2008 20:44

Quase todos os miúdos, tinham as "costelas", feitas pelos próprios para ir a apanhar pássaros, que noutros tempos havia com muita abundância pelos campos.

Primeiro tinha que se preparar as "cedielas", pêlos do rabo ou das crinas dos machos, que se colocavam na "costela", para depois se atar a formiga de asa. A formiga de asa era o "isco" para atrair os passaritos à "costela", que ao tentarem comer a formiga na "costela" armada, eram apanhados. Fazia-se um morro de terra de modo a que a "costela" ficasse virada para a árvore e bastante dissimulada, para não afugentar os passaritos, debaixo de certas arvores onde mais pousavam os passaritos.


Todos os dias de manhã lá iam dois ou três miúdos com as suas "costelas" e no final da manhã ou dia iam recolher os pássaros, às  vezes traziam uma dúzia ou mais de pássaros.

Actualizado em Sábado, 02 Agosto 2008 11:07
 
Saimento PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Rui Vilela   
Domingo, 27 Julho 2008 20:43

Quando alguém falecia, nos três domingos que se seguiam ao funeral, havia o que se chamava "Saimento". Ia-se até junto da casa do falecido, para se rezar os responsos. Toda a gente que tinha ido à missa, dirigia-se para a casa onde o Sr. Padre António rezava os tais responsos acompanhando-o.

Depois, na igreja, as pessoas mais chegadas do falecido, colocavam duas velas acesas num cavalete com um pano preto na frente. Nesse pano as pessoas colocavam moedas. O Sr. Padre no fim da missa dirigia-se ao pano, onde rezava os responsos. Quantas mais moedas tivesse mais responsos rezava.

 
Touro do Entrudo PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Rui Vilela   
Domingo, 27 Julho 2008 20:43
No Domingo, antes do Carnaval, na segunda-feira e na terça-feira de Carnaval, havia dois rapazes que se metiam dentro de uma armação, que depois de coberta com uma manta vermelha. Essa armação simulava um touro a que também tinham posto um par de cornos de touro.
Depois os dois rapazes dentro da tal armação percorriam as ruas da aldeia, metendo medo ás pessoas, principalmente ás raparigas e mulheres. Algumas nesses dias quando sabiam que o touro andava na rua não saíam de casa.
Juntamente som o touro andavam outros caretos, trajados das mais diversas formas, (com mantas velhas, trapos velhos e até com arreios de animais ).
 
Toque das Trindades PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Rui Vilela   
Domingo, 27 Julho 2008 20:42
Ao pôr-do-sol, davam-se três toques no sino da aldeia. Esses toques tinham duas finalidades, uma era para as pessoas rezarem as Ave Marias e outra era para os mais pequenos recolherem a casa. Os mais atrevidos ainda tentavam ficar, mas os mais velhos davam-lhe castigos que os obrigavam a ir para casa. Uns dos castigos que me lembra, era dois rapazes pegavam num dos pequenos por uma mão e pelo pé e com o outro miúdo de igual forma, depois batiam com os rabos dos dois miúdos um no outro.
Depois pelas 21h00 se no Inverno ou pelas 22H00 se no Verão, ainda havia o toque das almas. Ainda me lembra do ti Alfredo Trindade que tocava por ter feito uma promessa pelo seu filho Fernando, depois de ter caído de uma escada abaixo e ter levado vários pontos na cabeça.
Actualizado em Domingo, 27 Julho 2008 20:46
 
« InícioAnterior1234SeguinteFinal »

Pág. 1 de 4