Provérbios
Provébios PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Escrito por Rvilela   
Segunda, 04 Agosto 2008 23:28



PROVÉRBIOS DITOS E USADOS NA ALDEIA

  • A


  • Água mole em pedra dura, tanto dá até que fura.

  • A bom entendedor, meia palavra basta

  • A casamento e batizado só vai quem é convidado.

  • A cavalo dado não se olha o dente.

  • A coisa proibida é sempre a mais apetecida.

  • A curiosidade matou um gato.

  • A erva ruim não a queima  a geada.

  • A esmola, quando é muita, o santo desconfia.

  • A esperança é a última a morrer.

  • A falar é que a gente se entende.

  • A fé move montanhas.

  • A fome é negra.

  • A grão e grão, enche a galinha o papo.

  • A luz que vai adiante é que alumia.

  • A mão direita não deve saber o bem que faz a esquerda.

  • A mentira tem pernas curtas.

  • A mulher e a sardinha, a mais pequenina.

  • A ocasião faz o ladrão.

  • A pensar, morreu um burro

  • A quem dói o dente, que vá ao dentista.

  • A rico não devas, e a pobre não prometas.

  • A roupa suja lava-se em casa.

  • A uns pago, a outros dou o dinheiro.

  • A verdade é como o azeite: vem sempre ao de cima.

  • A verdade sai da boca das crianças.

  • Água corrente não mata a gente.

  • Água mole em pedra dura tanto dá até que a fura.

  • Águas passadas não movem moinhos.

  • Amigo não empata amigo.

  • Andar em palpos de aranha.

  • Andar o carro á frente dos bois.

  • Andar para trás como caranguejo.

  • Antão era pastor e guardava gado.


  • B


  • Barriga cheia, companhia desfeita.

  • Beber para esquecer.

  • Bem ama quem não se esquece.

  • Bem o prega Frei Tomás; façamos o que ele diz e não o que ele faz.

  • Boda molhada, boda abençoada.

  • Burro velho não toma andadura.


  • C


  • Cá se fazem, cá se pagam.

  • Cabeça que não tem juízo,  o corpo é que paga.

  • Cabra manca não tem sesta, e se a tem, pouco lhe presta.

  • Cada cabeça, sua sentença.

  • Cada um dá o que tem, e a mais não é obrigado.

  • Candeia que vai à frente alumia duas vezes.

  • Cão que muito ladra, não morde.

  • Caro é barato, e o barato sai caro.

  • Casa arrombada, trancas à porta.

  • Casa de ferreiro, espeto de pau.

  • Casa em que não há pão, todos ralham, e ninguém tem razão.

  • Calma no Brasil que Portugal é nosso.

  • Canta, que logo bebes.

  • Cautela e caldo de galinha nunca fizeram mal a ninguém.

  • Cavalo velho não toma andadura.

  • Cesteiro que faz um cesto, faz um cento, dando-lhe verga e tempo.

  • Chama-lho antes que to chamem.

  • Chapa ganha, chapa gasta.

  • Chega-te aos bons, serás um deles; chega-te aos maus, serás pior do que eles

  • Chegar a mostarda ao nariz.

  • Com a verdade me enganas.

  • Com o fogo não se brinca.

  • Com mel se apanham as moscas.

  • Com o mal dos outros, posso eu bem.

  • Com pão e com vinho, anda-se caminho.

  • Com um olho no burro, outro no cigano.

  • Comer com os olhos.

  • Comer gato por lebre.

  • Contas com Jorge, e Jorge na rua.

  • Contra a força não há resistência.

  • Cria boa fama e deita-te a dormir.


  • D


  • Dá Deus a roupa conforme o frio.

  • Dar às de vilas-diogo.

  • Dar com a língua nos dentes.

  • Dar uma no cravo, outra na ferradura.

  • De boas intenções está o inferno cheio.

  • De Espanha, nem bom vento, nem bom casamento.

  • De grão em grão a galinha enche o papo.

  • De manhã é que se começa o dia.

  • De médico e de louco, todos nós temos um pouco.

  • De noite todos os gatos são pardos.

  • De pequenino é que se torce o pepino

  • Deitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer.

  • Deixar para o dia de são nunca à tarde.

  • Depois da casa roubada, trancas à porta.

  • Depressa e bem, há pouco quem.

  • Descobriu a pólvora!

  • Deus ajuda a quem cedo madruga.

  • Deus dá nozes a quem não tem dentes.

  • Deus não dorme.

  • Deus nos livre de maus vizinhos de ao pé da porta.

  • Deus o deu, Deus o levou.

  • Devagar se vai ao longe.

  • Dinheiro não traz felicidade.


  • E


  • É melhor prevenir que remediar.

  • É ouro sobre azul.

  • É pau para toda a colher.

  • É um mãos rotas.

  • Ele a dar-lhe, e a burra a mijar para trás.

  • Em bom pano cai a nódoa.

  • Em casa de ferreiro, espeto de pau.

  • Em casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão.

  • Em tempo de guerra não se limpam armas.

  • Em terra de cegos, quem tem um olho é rei.

  • Encomendas sem dinheiro esquecem ao passar o ribeiro.

  • Enfiar o rabo entre as pernas.

  • Enquanto há vida, há esperança.

  • Ensinar o padre-nosso ao vigário.

  • Entra-lhe por um ouvido e sai pelo outro.

  • Entradas de leão, saídas de cordeiro.

  • Entre marido e mulher não metas a colher.

  • Entre mortos e feridos, algum há de escapar.

  • Entre os dois, venha o diabo e escolha.

  • Erva ruim não a queima a geada.

  • Escreve Deus às vezes o direito com letras tortas.

  • Esta vida são dois dias.

  • Estar em palpos-de-aranha.

  • Este mundo é uma bola, e quem anda nele é que se amola.


  • F


  • Falo-lhes em alhos, respondem-me com bugalhos.

  • Fazer as coisas com tempo, peso e medida

  • Fazer das tripas coração.

  • Fazer de alguém gato e sapato.

  • Fazer o bem, não olhar a quem.

  • Fazer ouvidos de mercador.

  • Fazer uma tempestade num copo d'água.

  • Ferver em pouca água.

  • Fia-te na Virgem e não corras...

  • Fica tudo como dantes: quartel-general em Abrantes

  • Ficar a ver navios.

  • Ficar com a pulga atrás da orelha..

  • Ficar de braços cruzados.

  • Ficar de mãos atadas.

  • Filho de peixe sabe nadar.

  • Filho és, pai serás, conforme fizeres, assim receberás.

  • Fogo viste, linguiça, no vale da Vilariça.


  • G


  • Gaba-te, cesta, que vais à vindima.

  • Gaivotas em terra, tempestade no mar.

  • Ganha fama, deita-te a dormir.

  • Grande é o marão, e não dá palha nem grão.

  • Grão a grão, a galinha enche o papo.

  • Guarda o que não presta, terás o que desejas.


  • H


  • Há mais marés que marinheiros.

  • Há mais Marias na terra.

  • Há chuva que seca e sol que rega.

  • Há males que vêm para bem.

  • Há mar e mar, há ir e voltar.

  • Há muitas maneiras de matar pulgas.

  • Há remédio para tudo, menos para a morte.

  • Há sol que rega e chuva que seca.

  • Haja fartura, que a fome ninguém a atura.

  • Homem pobre com pouco se contenta.

  • Homem prevenido vale por dois.

  • Homem velho e mulher nova, filhos até a cova.


  • I


  • Imita a formiga, se queres viver sem fadiga.

  • Impossível é desculpa de mau pagador.

  • Infeliz no jogo, feliz no amor.

  • Ir a Roma e não ver o Papa.

  • Ir buscar lã e sair tosquiado.

  • Ir de Herodes para Pilatos.

  • Ir de vento em popa.

  • Ir o carro adiante dos bois.

  • Isso não vale dez réis de mel coado.


  • J


  • Já a formiga tem catarro.

  • Já correu muita água sob a ponte.

  • Já não está aqui quem falou.

  • Já que a montanha não vai a Maomé, Maomé vai à montanha.

  • Jogar com os trunfos todos na mão.

  • Jogar com pau de dois bicos.

  • Junta-se a fome com a vontade de comer.

  • Junta-te aos bons e serás como eles; junta-te aos maus e serás pior que eles.


  • L


  • Lá vai o burro e as canastras.

  • Ladram os cães, e a caravana passa.

  • Ladrão que rouba a ladrão tem cem anos de perdão.

  • Ladrão só, puta só.

  • Lançar a pedra e esconder a mão.

  • Lançar água na fervura.

  • Lavar a roupa suja.

  • Lembra aos rapazes o que ao diabo esquece.

  • Lenha de figueira, rija de fumo, fraca de madeira.

  • Leva couro e cabelo.

  • Levantar a lebre.

  • Levantar questões por dá cá aquela palha.

  • Levar água ao seu moinho.

  • Livra-te do homem que não fala e do cão que não ladra.

  • Longe dos olhos, longe do coração

  • Longe vá o teu agouro.


  • M


  • Má vizinha à porta é pior que lagarta na horta.

  • Macacos me mordam.

  • Madruga e verás, trabalha e terás.

  • Mãe não temeste, pai não tiveste, diabo te fizeste.

  • Mais apertado que sardinha em lata.

  • Mais caro é o dado que o comprado.

  • Mais custa sustentar um vício que educar um filho.

  • Mais depressa se apanha um mentiroso que um coxo.

  • Mais próximos estão dentes que parentes.

  • Mais são as vozes que as nozes.

  • Mais vale andar só que mal acompanhado.

  • Mal com mal se paga.

  • Mal de amor não tem cura.

  • Mal de carro, pior de arado.

  • Mal me querem as comadres, porque lhes digo as verdades.

  • Mal por mal, antes cadeia que hospital.

  • Malhar em ferro frio.

  • Malhar no ferro é enquanto está quente.

  • Manda quem pode, obedece quem deve.

  • Mão fria, coração quente.

  • Mãos que não dais, o que esperais?

  • Maria vai com as outras.

  • Mata o teu porco, se queres ver o teu corpo.

  • Matar dois coelhos com uma cajadada.

  • Mateus, primeiro os teus.

  • Medir a todos pela mesma rasoura.

  • Meias só para os pés.

  • Melhor antes que depois.

  • Melhor calar que mal falar.

  • Melhor é a galinha da minha vizinha que a minha.

  • Melhor é prevenir que remediar.

  • Menino e borracho Deus põe a mão por baixo.

  • Mentira tem pernas curtas.

  • Merenda comida, companhia desfeita.

  • Meter a viola no saco.

  • Meter o carro á frente dos bois.

  • Meter o nariz onde não é chamado.

  • Meter o rabo entre as pernas.

  • Meter-se em assados.

  • Meter-se em camisa de onze varas.

  • Mija um português, mijam dois ou três.

  • Mijar fora do penico.

  • Misturar alhos com bugalhos.

  • Morra Marta, mas morra farta.

  • Morrer por morrer, morra o meu pai, que é mais velho.

  • Moscas apanham-se com mel, e não com fel.

  • Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades.

  • Muita água passará debaixo da ponte.

  • Muita parra e pouca uva.

  • Muitas graças a Deus, poucas com Deus.

  • Muitas vozes, poucas nozes.

  • Muito ajuda quem não atrapalha.

  • Muito come o tolo, mas mais tolo é quem lho dá.

  • Muito esquece a quem não sabe.

  • Muito pode a velha para sua casa.

  • Mulher e sardinha, quer-se da mais pequenina.

  • Muito riso, pouco siso.


  • N


  • Na cadeia e no hospital, todos temos um lugar.

  • Na casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão.

  • Na terra dos cegos quem tem um olho é rei.

  • Nabiça quer unto; grelo, azeite, e nabo, presunto.

  • Nada se faz neste mundo que não se descubra.

  • Nadar contra a maré.

  • Não adianta chorar sobre o leite derramado.

  • Não ata nem desata.

  • Não atires foguetes antes da festa.

  • Não comer por ter comido não é doença de perigo.

  • Não contes com o ovo no cu da galinha.

  • Não cuspas para o ar, que te pode cair o cuspo na cara.

  • Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje.

  • Não diz a gota com a perdigota.

  • Não é carne, nem é peixe.

  • Não é com vinagre que se apanham as moscas.

  • Não faças aos outros o que não queres que te façam a ti.

  • Não há amor como o primeiro.

  • Não há bem que sempre dure, nem mal que não acabe.

  • Não há fogo sem fumo.

  • Não há fome que não traga fartura.

  • Não há luar como o de janeiro, nem amor como o primeiro.

  • Não há sábado sem sol, nem domingo sem missa, nem segunda sem preguiça.

  • Não lhe chega à sola dos pés.

  • Não me fio nem da camisa que trago vestida.

  • Não metas a foice em seara alheia.

  • Não metas o nariz onde não és chamado.

  • Não mexe um pé sem pedir licença ao outro.

  • Não peças a quem pediu, não devas a quem deveu, nem sirvas a quem serviu.

  • Não se deve bater na mulher, nem com uma flor.

  • Não tem onde cair morto.

  • Não tem pés nem cabeça.

  • Não vos fieis em cantigas.

  • Nem lá vou, nem faço míngua.

  • Nem muito ao mar, nem muito à terra.

  • No melhor pano cai a nódoa.

  • No dia de São Martinho, abre o teu pipo e prova do teu vinho.

  • No meio é que está a virtude.

  • No poupar é que está o ganho.

  • No tempo dos figos não há amigos.

  • Nós a falarmos no diabo, e ele a aparecer.

  • Notícia ruim corre depressa.

  • Num abrir e fechar d'olhos.

  • Numa hora cai a casa.

  • Nunca as mãos te doam.

  • Nunca digas: desta água não beberei.

  • Nunca é tarde para aprender.

  • Nunca faças nada sem consultar a almofada.

  • Nunca o vi mais gordo.

  • Nunca se é velho para aprender.

  • Nunca troques o certo pelo duvidoso.


  • O


  • O amor é cego.

  • O azeite e a verdade andam sempre ao de cima.

  • O barato sai caro.

  • O bocado é para quem o come, e não para quem o faz.

  • O bom filho a casa torna.

  • O burro não é tão burro como se pensa.

  • O cão e o menino vão para onde lhes fazem o miminho.

  • O coração sente e a boca mente.

  • O corno é o último a saber.

  • O cu nada tem com as calças.

  • O dia é para a romaria.

  • O diabo não quis nada com canalha.

  • O diabo nem sempre está atrás da porta.

  • O diabo sabe muito porque é velho.

  • O dinheiro é bom de gastar e mau de ganhar.

  • O dinheiro fez-se para se contar.

  • O dinheiro não dá felicidade, mas ajuda muito.

  • O feitiço vira-se contra o feiticeiro.

  • O fruto proibido é o mais apetecido.

  • O hábito faz o monge.

  • O homem faz e Deus desfaz.

  • O homem prevenido vale por dois.

  • O mais difícil é começar.

  • O melhor meio de ganhar é poupar.

  • O muito riso é sinal de pouco siso.

  • O mundo é pequeno.

  • O nada com Deus é tudo, e tudo sem Deus é nada.

  • O peixe deve nadar três vezes: em água, em molho e em vinho.

  • O pior cego é o que não quer ver.

  • O pouco com Deus é muito, o muito sem Deus é nada.

  • O prometido é devido.

  • O que arde, cura.

  • O que cai na rede, é peixe.

  • O que é bonito, é para se ver.

  • O que é demais, aborrece.

  • O que é doce, nunca amargou.

  • O que não mata, engorda.

  • O que não se sabe não se sente.

  • O que se há de pedir aos santos, peça-se a Deus.

  • O que tem de ser, tem muita força.

  • O que vale é a intenção.

  • O rabo é o pior de esfolar.

  • O saber não ocupa lugar.

  • O segredo é a alma do negócio.

  • O seguro morreu de velho.

  • O seu a seu dono.

  • O sol, quando nasce, é para todos.

  • O tempo é dinheiro.

  • O tiro às vezes sai pela culatra.

  • O tolo aprende à sua custa, e o sabido à custa do tolo.

  • O travesseiro é o melhor conselheiro.

  • O último que vem que feche a porta.

  • O vinagre e o limão são meio cirurgião.

  • O vinho e o amigo, do mais antigo.

  • Olhar como boi para palácio.

  • Olho por olho, dente por dente.

  • Olho vê, mão pilha.

  • Onde está o rei, está a corte.

  • Onde há fumo, há fogo.

  • Onde há galo, não canta galinha.

  • Onde não há morte, não há má sorte.

  • Os amigos conhecem-se nas ocasiões.

  • Os cães ladram e a caravana passa.

  • Os homens inteligentes mudam de opinião, os burros, não.

  • Os paus, uns nasceram para santos, outros, para tamancos.

  • Ou vai, ou racha.


  • P


  • Paga o justo pelo pecador.

  • Paga o que deves, saberás o que te fica.

  • Pagar em dia de São Nunca à tarde.

  • Pagar na mesma moeda.

  • Pague bem ou pague mal, pague já.

  • Pai impertinente faz o filho desobediente.

  • Pai não conheceste, mãe não temeste, diabo te fizeste.

  • Palavra de homem não volta atrás.

  • Palavra fora da boca é pedra fora da mão.

  • Palavras ferem mais do que a espada.

  • Pão com olhos, queijo sem olhos, e vinho que salte aos olhos.

  • Para baixo, todos os santos ajudam.

  • Para bom entendedor, uma palavra basta.

  • Para bom mestre não há ferramenta ruim.

  • Para cá do Marão, mandam os que cá estão.

  • Para grandes males, grandes remédios.

  • Para onde fores, faze como vires.

  • Para onde vai o carro, vão também os bois.

  • Para quem é, bacalhau basta.

  • Para quem não quer, há muito.

  • Para quem tarde se levanta, cedo anoitece.

  • Para quem tem fome, não há pão ruim.

  • Para quem trabalha, fez Deus o descanso.

  • Para trás mija a burra.

  • Para tudo há remédio, menos para a morte.

  • Parentes são os dentes e mordem a gente.

  • Parir é dor, e criar é amor.

  • Passar como cão por vinha vindimada.

  • Passar um camelo por uma agulha.

  • Pede o guloso para o desejoso.

  • Peixe esperto come a isca e caga no anzol.

  • Peixe não puxa carroça.

  • Pela aragem se conhece logo quem vem na carruagem.

  • Pela boca morre o peixe.

  • Perderam-se os anéis, mas ficaram os dedos.

  • Perdido por cem, perdido por mil.

  • Perdigão perdeu a pena, não há mal que lhe não venha.

  • Perdoa-se o mal que faz pelo bem que sabe.

  • Perfeito, só Deus.

  • Perguntar não ofende.

  • Pior é a emenda que o soneto.

  • Pobrete, mas alegrete.

  • Pode esperar sentado.

  • Pode ir tirando o cavalinho da chuva.

  • Por falta de um cravo, perde-se a ferradura.

  • Pôr lenha na fogueira.

  • Pôr o carro à frente dos bois.

  • Pôr o dedo na ferida.

  • Prefiro sustentar um burro a pão-de-ló.

  • Presunção e água benta, cada um toma a que quer.

  • Procurar agulha em palheiro.

  • Promessas não pagam dívidas.

  • Prometer mundos e fundos.

  • Puta só, ladrão só.

  • Puxar a brasa à sua sardinha.


  • Q


  • Quando a cabeça não tem juízo, o corpo é quem paga.

  • Quando a esmola é grande, o pobre desconfia.

  • Quando a galinha tiver dentes.

  • Quando dói o dente é que se vai ao dentista.

  • Quando há fome, não há ruim pão.

  • Quando se come, não se fala.

  • Quando um burro fala, o outro abaixa as orelhas.

  • Quando um diz “mata”, o outro diz “esfola”.

  • Quando vires arder as barbas do vizinho, põe as tuas de molho.

  • Quanto mais choras, menos mijas.

  • Quanto mais depressa, mais devagar.

  • Quanto mais prima, mais se lhe arrima

  • Quanto mais se mexe na merda, mais ela cheira

  • Que bem prega frei Tomás: faz o que ele diz e não o que ele faz.

  • Que tem que ver o cu com as calças?

  • Queimar as pestanas.

  • Queimar o último cartucho

  • Quem ama o feio, bonito lhe parece.

  • Quem anda na chuva, molha-se.

  • Quem bem faz a cama, bem nela se deita.

  • Quem brinca com o fogo, queima-se.

  • Quem cabritos vende e cabras não tem, de algum lugar lhe vêm.

  • Quem cala, consente.

  • Quem canta, seus males espanta

  • Quem chora, seu mal piora.

  • Quem com ferros mata, com ferros morre.

  • Quem conta um conto, acrescenta-lhe um ponto.

  • Quem corre por gosto, não cansa.

  • Quem cospe para o ar, cai-lhe na cara.

  • Quem dá e torna a tirar, ao inferno vai parar.

  • Quem dá o que tem, a mais não é obrigado.

  • Quem diz a verdade, não merece castigo.

  • Quem é vivo, sempre aparece.

  • Quem encomendou o sermão, que o pague.

  • Quem está de fora, racha lenha.

  • Quem foi ao mar, perdeu o lugar.

  • Quem foi ao vento, perdeu o assento.

  • Quem lhe comeu a carne, roa-lhe o osso.

  • Quem mais promete, menos cumpre.

  • Quem me avisa, meu amigo é.

  • Quem muito dorme, pouco aprende.

  • Quem muito fala, pouco acerta.

  • Quem não ajuda, não atrapalha

  • Quem não aparece, esquece.

  • Quem não arrisca, não petisca.

  • Quem não chora, não mama.

  • Quem não deve, não teme.

  • Quem não é para comer, não é para trabalhar.

  • Quem não está bem, que se mude

  • Quem não gosta, não come.

  • Quem não o conhecer, que o compre.

  • Quem não paga neste mundo, paga no outro

  • Quem não pode com a carga, arria.

  • Quem não quer ser lobo, não lhe vista a pele.

  • Quem não semeia, não colhe.

  • Quem não sente, não é boa gente.

  • Quem não tem bois, ou semeia antes, ou depois.

  • Quem não tem dinheiro, não tem vícios.

  • Quem não tem que fazer, veste-se e despe-se.

  • Quem não tem unhas, não toca guitarra.

  • Quem não trabuca, não manduca.

  • Quem nasce torto, tarde ou nunca se endireita.

  • Quem o feio ama, bonito lhe parece.

  • Quem o mal deseja a seu vizinho, vem o seu pelo caminho.

  • Quem paga adiantado, é mal servido.

  • Quem quer a bolota, que trepe.

  • Quem quer dormir, paga a guarda.

  • Quem quer, vai; quem não quer, manda.

  • Quem ri por último, ri melhor.

  • Quem sai aos seus, não degenera.

  • Quem se mete por atalhos, não se livra de trabalhos.

  • Quem se muda, Deus o ajuda.

  • Quem semeia ventos, colhe tempestades.

  • Quem te avisa, teu amigo é.

  • Quem te manda a ti, sapateiro, tocar no rabecão?

  • Quem tem capa, sempre escapa.

  • Quem tem filhos, tem cadilhos; quem não os tem, cadilhos tem.

  • Quem tem língua, vai a Roma.

  • Quem tem padrinhos, não morre na cadeia.

  • Quem tem telhados de vidro, não atira pedras ao do vizinho.

  • Quem tudo quer, tudo perde.

  • Quem vai à guerra, dá e leva.

  • Quem vê as barbas do vizinho a arder, ponha as suas de molho.

  • Quem vê caras, não vê corações.

  • Quem vier atrás, que feche a porta.

  • Quer ensinar o padre-nosso ao vigário.

  • Querer encobrir o sol com uma peneira.


  • R


  • Ralham as comadres, descobrem-se as verdades.

  • Recolher-se à sua insignificância.

  • Remar contra a maré.

  • Responder com uma pedra na mão.

  • Ri com quem ri e chora com quem chora.

  • Ri-se o roto do esfarrapado.

  • Roma e Pavia não se fizeram num dia.

  • Roubam os ciganos, mas comem os aldeanos.


  • S


  • Sabe Deus as linhas com que cada um se cose.

  • Santos de ao pé da porta não fazem milagres.

  • São como um perro.

  • São mais as vozes que as nozes.

  • Saúde vale mais que riqueza.

  • Se há de mais tarde chorar o pai, chore agora o filho.

  • Se maior fosse o dia, maior era a romaria.

  • Se não queres que o mal cresça, corta-lhe a cabeça.

  • Se o trabalho dá saúde, que trabalhem os doentes.

  • Se queres bom conselheiro, consulta o teu travesseiro.

  • Se queres conhecer teu corpo, abre um porco.

  • Se queres que teu olho sare, limpa-o com o cotovelo.

  • Se queres ver teu companheiro a andar, põe-te a mijar.

  • Segredo em boca de mulher é manteiga em focinho de cão.

  • Seguro morreu de velho.

  • Sem eira nem beira, nem ramo de figueira

  • Ser apanhado com a boca na botija.

  • Ser mais papista que o papa.

  • Ser senhor do seu nariz.

  • Serviço de criança é pouco, porém quem o perde é louco.

  • Sinal na cara, mulher descarada.

  • Sinal na perna, mulher de taberna.

  • Sinal no braço, mulher de desembaraço.

  • Sinal no peito, mulher de respeito.

  • Sinal no pescoço, mulher de desgosto.

  • Só para a morte não há remédio.

  • Só se confia num amigo depois de comer com ele uma rasa de sal.

  • Só se morre uma vez, mas dessa ninguém escapa.

  • Só te lembra de Santa Bárbara quando troveja.

  • Sol na eira, chuva no nabal.


  • T


  • Tal pai, tal filho.

  • Também a formiga tem catarro.

  • Tantas vezes vai o cântaro à fonte, que lá deixa a asa.

  • Tanto faz correr como saltar.

  • Tanto se me dá como se me deu.

  • Tão ladrão é o que vai à horta como o que fica à porta.

  • Tarde piaste.

  • Teima, mas não apostes.

  • Temos cinco dedos na mão e nenhum é igual.

  • Ter a faca e o queijo na mão.

  • Ter a paciência de Jó.

  • Ter as costas quentes.

  • Ter macaquinhos no sótão.

  • Ter maus fígados.

  • Ter uma batata quente nas mãos.

  • Tim tim por tim tim.

  • Toda regra tem exceção.

  • Todo homem tem seu preço.

  • Todo o mundo come palha, o caso é sabê-la dar.

  • Todos os caminhos vão dar a Roma.

  • Trazia um figo para ti, mal que o vi, logo o comi.

  • Três ao burro, burro no chão.

  • Três foi a conta que Deus fez.

  • Trocar o certo pelo duvidoso.

  • Tu que sabes e eu que sei, cala-te tu, que eu me calarei.

  • Tudo está bem, quando acaba bem.

  • Tudo na vida tem um começo.

  • Tudo que cai na rede é peixe.

  • Tudo que é demais enjoa.

  • Tudo que vier é lucro.


  • U


  • Um burro carregado de livros é um doutor.

  • Um homem é um homem, e um bicho é um bicho.

  • Um no papo, outro no saco.

  • Um pássaro na mão vale mais que dois a voar.

  • Uma boa capa tudo tapa.

  • Uma desgraça nunca vem só.

  • Uma imagem vale por mil palavras.

  • Uma maçã podre apodrece um cento.

  •  Uma mão lava a outra, e ambas lavam a cara.

  • Uma no cravo, outra na ferradura.

  • Uma ovelha ranhosa deita um rebanho a perder.

  • Uns comem os figos, a outros rebentam-lhes os beiços.

  • Uns fazem a cama para os outros se deitarem.

  • Uns são filhos, outros enteados.

  • Usa e serás mestre.

  • Usa, mas não abuses.


  • V


  • Vá pentear macacos.

  • Vale mais passar de burro a cavalo que de cavalo a burro.

  • Vão-se os anéis, mas fiquem os dedos.

  • Vender gato por lebre.

  • Venha o diabo e escolha.

  • Ver as barbas do vizinho arder e pôr as suas de molho.

  • Ver, ouvir e calar.

  • Ver para crer, como São Tomé.

  • Ver um argueiro no olho do vizinho e não ver uma trave no seu.

  • Vi com estes olhos que a terra há de comer.

  • Vinho, azeite e amigo, o mais antigo.

  • Virar o bico ao prego.

  • Vós que não dais, por que esperais?

  • Vozes de burro não chegam aos céus 

Actualizado em Segunda, 29 Setembro 2008 22:59